artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

Superando desavenças na vida a dois

Milhares ou milhões de lendas que, depois, foram fontes inesgotáveis de novelas românticas, nos mostram o muito que o homem seria capaz de fazer ou de sacrificar para conquistar o carinho daquela que, em seu coração, chama sua bem-amada. E, o mesmo, a mulher com respeito ao homem.

Modelada a imagem ideal, constituída já a vontade para ser encaminhada na conquista dessa aspiração, tudo se vai construindo com fios de seda e de marfim. Sobrevém depois a realidade, quando um e outro completam sua aspiração e a imagem ideal começa, pouco a pouco, a empalidecer, desaparecendo os fios de seda e de marfim.

É que havia ali modeladas duas imagens ideais: a dele e a dela. O encontro de ambos não foi o encontro das duas imagens e então, cada um, tomando por sua parte o pincel, a vai modificando, porque, considerando a sua muito superior, pensa ter sido demasiadamente generoso.

Qual é o pincel que começa a se mover na mão desse artista incógnito, o qual modelou no éter um quadro que somente ele podia ver, admirar e adorar?

A realidade, aquela que, mostrando por uma parte o que é, oferece a possibilidade do que pode ser, e só pede colocar-se mãos à obra, com o afã tolerante que aperfeiçoa sem ferir o que quer modelar. Esta é, na verdade, uma arte, à qual contados seres rendem culto; muitos tentaram, mas pouco após começarem, a impaciência, as exigências injustas e depois o desânimo terminaram por alterar a imagem, deixando-a semidestruída.

Não é a última gota a que faz extravasar o copo

Algo fica sempre, porém, dessa imagem ideal: fica a força do afeto, a força da recordação, que em constante revivescência fixa a cada um sua conduta. Essa parte da imagem ideal é a que influi, desde o momento em que os seres se desencontram, se desconhecem ou se rechaçam; desde o momento em que, por causas não muito graves, suscitam-se desgostos, desavenças ou atritos. É a que influi para acalmar a agitação, suavizar o erro e ainda para perdoar, porque, quando a imagem física, nos instantes de furor, se apaga para os olhos que a veem, aparece, mostrando-se a esses mesmos olhos, a imagem ideal, revestida sempre de recordações, de afetos e de história; dessa história que juntos viveram, participando dos dias felizes e dos dias de dor. Essa imagem é a que influi, e não outra, para que os seres se reconciliem e se reencontrem, estreitando seus espíritos no amor dessa imagem.

O que ocorre entre os seres humanos, qualquer que seja seu vínculo, e entre os povos, sempre tem uma causa que está mais além daquelas que se supõe. Não é a última gota a que faz extravasar o copo, senão toda a água que o enche, fazendo com que uma gota a mais não possa caber nele. De modo que a causa não está na gota, senão nas muitas gotas que contém o copo.

Trechos extraídos do livro Introdução ao Conhecimento Logosófico p.195
Cadastra-se Projeto Cultural