artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

Simpatia: centro gerador do afeto

O culto da graça, conjunto das virtudes e qualidades boas que o ser humano possua, é o que constitui a melhor fonte de simpatia, pois nada embeleza tanto a alma como os traços característicos da nobreza de berço. Quem não procede dessa origem pode e deve criá-la, já que sempre há tempo de obter pelo esforço, pela decisão e pela capacidade de estudo as mesmas vantagens dos que se viram favorecidos na infância.

Na Criação existem duas forças que oscilam alternadamente numa luta constante: a de atração e a de repulsão. No ser humano, a simpatia atrai e é uma força ativa que atua como centro gerador do afeto, devendo estar regulada pela ação do critério, a fim de fazer possível a existência de um equilíbrio estável, não alterado pelas relações com o semelhante. A simpatia que um ser inspira a outro cobre a distância que o faria permanecer estranho a ele. A amizade nasce do afeto que a simpatia cria. Da amizade nasce a confiança mútua, e é esta a que cimenta e dá vida aos grandes vínculos.

 

Já se disse que a simpatia é um dom; 
nós a chamamos de atributo e afirmamos que pode ser adquirida


Para que isso seja possível, necessariamente devem ser cumpridas as exigências que a simpatia impõe: possuir pensamentos benévolos e quantos propiciem as melhores qualidades.

Na vida de relacionamento, é preciso buscar o entendimento de maneira simpática e afetiva. Nisso a mente há de desempenhar um papel muito importante, pois são os pensamentos os que devem ir ao encontro da afinidade ou criá-la, na medida do possível, conciliando inteligentemente as diferenças que existam no pensar e no sentir. A afabilidade, os bons modos, o trato agradável, são disposições que promovem a consideração e a simpatia dos demais, assim como a intolerância, os maus modos, a linguagem áspera, promovem o contrário. Onde quer que a pessoa se encontre, deve fazer com que sua presença seja grata a todos, ou pelo menos à maioria, e isso sempre será conseguido por quem mais conheça a psicologia humana e tenha estudado a fundo suas reações e suas múltiplas variantes.

O errôneo conceito que geralmente existe acerca das atenções que o semelhante nos deve prodigalizar, enquanto deixamos de tê-las para com ele, é causa das mil situações incômodas que teremos de sofrer depois, já que, sendo a simpatia a ponte de ouro que estendemos até seu coração e sua mente, e não sendo esta ponte nada impossível, devemos nos apressar para torná-la efetiva, a fim de que a simpatia e o afeto que buscamos nos possam ser oferecidos através dela. O ruim é quando fazemos isso mal, ou quando só construímos a metade, para que os outros façam a sua parte; assim é como se truncam com frequência os melhores propósitos.

A simpatia é uma força que influi decididamente na vida humana; conforme seja o cultivo que dela se faça, serão os frutos a recolher para a realização dos esforços que tendem à perfeição. 

Coletânea da Revista Logosofia, tomo 2, p. 149
Cadastra-se Projeto Cultural