artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

Por que amamos a vida

Muitos seres proclamam com frequência seu amor à vida, exaltando seu apego a ela nos momentos em que pressentem achar-se próximos ao final de seus dias. Porém, sabem esses seres por que e para que amam a vida? São conscientes desse amor? São fiéis a ele? Como é esse amor: sincero, verdadeiro ou falso? Eis aí uma oportuna e conveniente reflexão prévia que fará compreender melhor o alcance deste ensinamento.

O fato de ninguém pensar nisso não impede que possamos fazê-lo, dando lugar, assim, a que possam pensar mais atinadamente os que ainda não o fizeram. Se, a um ser que valorize a vida, nós nos apresentássemos com estas interrogações: “Para que quer a vida? Para reiterar o uso que fez dela, como no passado? Para reiterar o que está fazendo?” Ele não se deteria para refletir com sensatez sobre o problema? Mais de um ser, ante sua própria consciência, exclamará: O que tenho feito de minha vida! Um acúmulo de misérias!...

Que perspectivas se abrirão depois a seu futuro? Outras, talvez, que não sejam as de repetir o que foi feito no passado? Eis aí a questão.

 

A vida dos que pensam, dos que se esforçam e se sacrificam pelo bem geral

nos dão com eloquência a resposta

 

Para aqueles que carecem de um sadio conceito de vida, pouco importam as reflexões anteriores. “Queremos a vida para nos divertir”, dirão a si mesmos. “Para gozar dos prazeres, da embriaguez ou da opulência, se até aí chegarmos. O resto não importa, não interessa.” 

Diante de semelhante quadro psicológico, comum a tantos seres, que fala com muita eloquência sobre o estado espiritual de uma grande parte da humanidade, não caberia perguntar se a criatura humana foi criada para empregar sua vida assim, dessa forma? Sua existência não encerrará uma finalidade superior? Não terá sido feita para que reproduza em si mesma os traços superiores de sua espécie, que a farão semelhante a seu próprio Criador? É possível admitir que a vida de um homem deva permanecer tão desprovida de valores? Não terá que conter elementos mais ponderáveis que seus meros apetites materiais?

A vida dos que pensam, dos que se esforçam e se sacrificam pelo bem geral nos dão com eloquência a resposta. Por conseguinte, devemos pensar que aqueles, cedo ou tarde, compreenderão seu erro e se emendarão. Enquanto isso, o caminho se encontra aberto aos que desejam fazer de suas vidas um paraíso de felicidade.

Extraído do Livro Diálogos, pág. 202
Cadastra-se Projeto Cultural