artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

Fatores que concorrem para o bem-estar da juventude

 

A ausência de uma preparação básica, prática e superior, que ensine ao ser humano como encarar os problemas da vida, impele-o a cometer uma quantidade de erros que, depois, por via da experiência, se vê obrigado a corrigir, mas após haver sofrido os efeitos que a incapacidade impõe. Isso nada representaria se os frutos colhidos em sua aprendizagem servissem para beneficiar as condições humanas na luta contínua contra a adversidade. 
 
O certo, porém, é que os que conseguem ir levando com resignação a vida, conservando-a mais do que superando-a, nada tiram como conclusão, porque atribuem tudo o que lhes ocorre a fatos circunstanciais, quando não fatais ou providenciais; portanto, não têm em conta os acontecimentos nem sentem a necessidade de se informarem da razão por que lhes aconteceu tal ou qual coisa, enquanto se empenhavam em realizar quaisquer dos propósitos perseguidos. 
 
Como é possível, então, fazer chegar o valioso auxílio do conhecimento prático aos milhões de seres que penetram na vida desprovidos de toda defesa e iniciativa para empreender, através do longo e tortuoso caminho a percorrer, a busca de um futuro seguro?
 
Se bem devam todos ser auxiliados, é preciso colocar a juventude em primeiro lugar, fazendo com que seja ilustrada e instruída sobre a quantidade de obstáculos e dificuldades que haverá de encontrar na vida, para que saiba ultrapassá-los, evitando ter de correr riscos inúteis, que tanto desanimam e acovardam o homem em formação.
 

Tendência marcante no temperamento juvenil 

é a intolerância com o critério alheio

 
 
O jovem se aferra tenazmente a seu juízo, chegando até à obstinação, sem levar em conta, precisamente pela falta de experiência, que as razões dos demais podem ser igualmente respeitáveis. Essa intemperança, como é natural, traz ao homem em formação muitas contrariedades, perdas de amigos, etc., ao mesmo tempo que ele se desconceitua  ante os que o estimam.
 
A pressa é outra característica negativa do caráter em formação. Tudo se quer fazer quando ainda mal se pensou, sem se preocupar com as consequências; o resultado é, quase sempre, um fato adverso que produz no ser amargos momentos, pois não se deve apressar uma decisão antes que ela esteja respaldada pela análise de cada uma das circunstâncias que concorrem para determiná-la.
 
O caráter requer formar-se no rigor das experiências e das ideias; que essas se enraízem e alicercem, no ser que se está formando na vida, convicções profundas sobre a necessidade de forjar uma vontade firme, que lhe permita conseguir a confiança de seus semelhantes em sua palavra e em sua amizade e, assim, conquistar simpatia e conceito favoráveis. 
 
Quando o sentimento de camaradagem está ausente, o ser é levado à brusquidão e ao isolamento. Por isso, é muito importante que o espírito de colaboração presida constantemente o ânimo na juventude, pois todo gesto generoso, todo oferecimento de ajuda, ainda nas coisas mais simples, cultiva a simpatia e desperta sadias reações de amizade e sinceridade.

 

 

Texto extraído da Coletânea da Revista Logosofia, tomo 1, p. 233
Cadastra-se Projeto Cultural