artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

Aproveitando o tempo, aproveitando a vida

A verdade é que nem sempre o homem se dá conta da submissão incondicional da vida à tirania do tempo, que se apodera de sua vontade, pelo fato de ele ignorar como usá-lo com ampla e vantajosa margem de rendimento. Um dos ensinamentos de Logosofia mais proveitosos para quem realiza seu cultivo é, precisamente, o que se refere ao tempo, já que por seu intermédio se aprende a administrá-lo com surpreendentes resultados.

Em princípio, a Logosofia só pede, a quem se dedica a seu estudo, o tempo que ele perde durante o dia, isto é, aquele que gasta em vão. Está com isso lhe indicando que jamais vai requerer o que cada um emprega no atendimento a suas tarefas habituais.

A expansão do tempo próprio é um dos tantos benefícios que são obtidos com o aprendizado logosófico. Aquele que, mercê de nossos conhecimentos, se liberta dos ponteiros do relógio e a eles se adianta, torna-se dono do tempo, amplia-o à vontade e experimenta algo assim como se a vida se estendesse de pronto em direção a horizontes mais dilatados. Naturalmente, a dimensão e o valor deste ensinamento são devidamente apreciados ao se compreenderem os alcances e o significado de nossos conhecimentos. 

O tempo é malgasto e perdido quando não se pensa

 

Por sua importância, é preciso saber que o tempo pressiona quando é desaproveitado, e que esse desaproveitamento ocorre quando não se pensa. Conclui-se daí que o aproveitamento do tempo caminha paralelamente à função de pensar. Pensar em quê? Em tudo quanto direta ou indiretamente conspire contra o auspicioso propósito de aperfeiçoamento integral. São, pois, os inconvenientes e problemas cotidianos – tanto os do âmbito familiar como os do trabalho ou da profissão, ou os do próprio mundo interno – os insaciáveis devoradores de tempo. E seguirão sendo tais, enquanto a vida continuar aprisionada nos estreitos limites impostos por eles. Nesse caso, a função de pensar se concretiza na oportunidade de resgatar dali a vida individual, criando soluções capazes de abrir com êxito as portas de sua libertação psíquica. Assim é como o tempo e as energias passam agora para as mãos de seu dono, para o uso que seu bom critério e seus afãs de saber determinem.

Em síntese, o tempo é malgasto e perdido quando não se pensa. É ganho e até recuperado quando se aprende a pensar e se exercita essa função toda vez que a adversidade, seja qual for a feição que ostente, se contraponha ao avanço consciente do ser.

Trechos extraídos do livro Curso de Iniciação Logosófica § 70 a 75
Cadastra-se Projeto Cultural